Seja bem-vindo
Rio Grande,20/05/2024

  • A +
  • A -
Publicidade

Café com Z recebe secretária de Saúde, Zelionara Branco

Na ocasião, Zelionara Branco falou sobre os índices de Covid-19 no município, a chegada de novos médicos e as atuais demandas da pasta.


Café com Z recebe secretária de Saúde, Zelionara Branco

Café com Z recebe secretária de Saúde, Zelionara Branco

Na ocasião, Zelionara Branco falou sobre os índices de Covid-19 no município, a chegada de novos médicos e as atuais demandas da pasta.


Na tarde desta quarta-feira, 6, o programa Café com Z, em O Litorâneo, recebeu a secretária de Saúde do Rio Grande, Zelionara Branco. Na ocasião, Zelionara falou sobre os índices de Covid-19 no município, a chegada de novos médicos, e as atuais demandas da pasta. 


Desde o mês de outubro, a cidade do Rio Grande está registrando alta nos índices de infecções e óbitos por Covid-19. Segundo a responsável pela pasta, a nova onda da doença é explicada pela baixa adesão de vacinas por parte da população. 


 “A Covid permanece nos preocupando, é um quadro viral, assim como as outras síndromes gripais, como já tivemos ao longo do tempo, como a influência. Agora, estamos passando por um novo ciclo de Covid, recentemente, foi identificado duas variantes da Ômicron, não é uma variante agressiva, porém para o público idoso e com comorbidades pode ser mais agressivo. Outubro começou a aumentar o número de casos em outros estados, em novembro tivemos um aumento de casos, com 146 casos confirmados e 27 internações. Estamos encerrando o próximo boletim e observamos também um aumento de casos, mas com o processo de declínio. Foi uma onda mais curta, mas precisamos reforçar a questão dos cuidados”, explica Zelionara.


Atualmente, cerca de 50% da população ainda não completou o esquema vacinal para a Covid-19. Dessa forma, a secretária reforça a importância de atualizar a caderneta de vacinas. No início de dezembro, o Boletim Epidemiológico apontou 42 pessoas em isolamento. “Neste momento, nós estamos correndo atrás de quem não cumpriu com o calendário vacinal. Infelizmente, temos pessoas que não fizeram a terceira, quarta e quinta dose. Temos em torno de 50% da população que ainda não fizeram a quinta dose e 30% para a quarta dose”, comenta.



Índices de HIV em Rio Grande


O Rio Grande do Sul ficou em 1º lugar no ranking de mortes por HIV. Contudo, pela primeira vez, a cidade do Rio Grande não ficou na lista. Segundo Zelionara, ainda não há a certeza de que os índices da doença diminuíram na cidade, uma vez que a pasta está aguardando uma confirmação oficial por parte do ministério.  “O próprio estado fez o questionamento de qual foi a modificação que nos tirou do ranking, pois o Ministério mudou a forma de calcular, então não temos essa certeza se estamos fora do ranking. Estamos aguardando o que virá nos próximos dias. É importante destacar que esse boletim são dados referentes a 2022, mas se olharmos os dados de 2022 e 2021, nós reduzimos em torno de 40% os nossos indicadores”, explica.


Na ocasião, a secretária também reforçou a importância de prevenir a doença e fazer o diagnóstico precoce. “Estamos trabalhando em mobilizações para a prevenção e incentivar a testagem para as pessoas saberem suas condições. O que nos puxa para o ranking é o diagnóstico tardio, então estamos trabalhando para fazer uma análise do porquê desse diagnóstico tardio, além de uma análise dos óbitos para ver como chegaram nesse ponto. A forma que temos de diminuir o contágio é através de uma relação protegida com o uso de preservativo. Precisamos desmistificar e falar sobre isso”, destaca.


Mais Médicos


Nesta semana, o Rio Grande recebeu dez médicos para atuar nas Unidades Básicas de Saúde da Família. Até o final do ano, a previsão é que a cidade tenha 17 novos profissionais. Antes de começarem a atuar no atendimento, os profissionais passarão por um treinamento voltado para a Atenção Básica em Saúde no município. “Depois de muita luta conseguimos equacionar nossas unidades. Hoje todas as unidades possuem pelo menos um médico. Com essa nova modalidade do ministério, Rio Grande recebeu dez médicos, e ficará com 17 profissionais do programa Mais Médicos, para termos nossas 40 unidades de Saúde da Família e as unidades de 24 horas para poder atender a população”, ressalta a secretária Zelionara Branco.


Fila de exames em Rio Grande


Na ocasião, a secretária foi questionada sobre a fila de espera para a realização de exames no município. Segundo Zelionara, a Saúde está realizando um mutirão e a previsão é que a fila fique normalizada ainda no início de 2024. “Fizemos vários mutirões nos últimos dois anos para colocar o mais próximo do normal as nossas filas. Chamamos a Santa Casa e o HU para colocar em dia os exames. Um exame de rotina deve ser realizado de 30 a 45 dias, pois estava sendo realizado em três meses. Tivemos que ir avançando na fila conforme o acesso da população. A previsão é que até o final de janeiro nós estarmos com a fila equacionada”, destaca Zelionara.


Atendimento médico na região das Ilhas

Durante a entrevista, a secretária Zelionara Branco também falou sobre como está sendo realizado os atendimentos médicos nas Ilhas da Torotama e dos Marinheiros, uma vez que as duas localidades foram drasticamente afetadas pelas enchentes que assolaram o município.  "Nós estamos tentando manter o atendimento, fizemos um investimento para adequar os veículos para garantir os transportes das equipes. Durante esse último evento climático as equipes não tiveram interrupção no atendimento. Esses veículos que adaptamos, também auxiliam na circulação nas ilhas e fazer o suporte de resgaste", explica.


Confira a entrevista completa:




COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.