Foco, Grêmio.

Foco, Grêmio.

A estreia do Grêmio no Brasileirão

Por William Bielenki 30/05/2021 - 20:25 hs

   Muito se ouviu vindo dos lados da Arena sobre o foco no Campeonato Brasileiro. Para ser efetivo, contudo, o foco precisa sair do discurso e vir ao campo de jogo, momento no qual passa a ser traduzido em atenção e dinamismo -  tudo o que faltou ao Grêmio na estreia contra o Ceará. E mais: fora das quatro linhas, ele tem de ser a força motriz para transformar os problemas em superação e não em desculpas. 

   Linhas defensivas espaçadas, coberturas malfeitas, zonas dúbias, marcação macia; passes lentos e apertados, domínio de bola inseguro, questionável acabamento de jogadas. Tanto na defesa quanto no ataque o Tricolor careceu de concentração e vontade.

   É certo que houve melhora no segundo tempo. Porém, um período após o gol de empate foi suficiente para que a equipe abrandasse e os problemas ao final retornassem. O terceiro gol do Ceará é um bom exemplo disso. Validade à parte, ele acontece nos acréscimos do segundo tempo e numa jogada em que o Vanderson não acompanha a linha defensiva (nem para sair e gerar o impedimento nem para retornar à marcação), e o Breno simplesmente abandona a jogada e se limita a erguer o braço e olhar para o bandeirinha. 

   Essa postura displicente lembra vários momentos da temporada anterior (e de algumas outras também), de modo que, ao mesmo tempo em que a atual comissão técnica acerta em trabalhar a continuidade dos pontos positivos herdados da anterior, deve buscar não repetir os equívocos por ela cometidos. Nesse aspecto, apesar de se entender a escalação do Lucas Silva e a entrada do Jean Pyerre, nota-se que o primeiro permanece deslocado e o segundo, desinteressado, ao passo que o Darlan, quem acrescenta dinamismo à equipe, preterido, e a lateral esquerda, insuficiente.

   Para alcançar o tricampeonato do Brasileirão, o Grêmio precisará entrar ligado e com determinação contra todo e qualquer adversário, permanecendo nessa toada do apito inicial ao final, bem como ter coragem, competência e autocrítica para continuar os ajustes finos no elenco e na equipe titular e não deixar os fatores externos (como arbitragem, coronavírus etc.) obliterar a necessidade de constante melhora. Enfim, deverá focar de fato.



O Litorâneo não se responsabiliza pelos conteúdos aqui divulgados, sendo única responsabilidade de seus autores. Como espaço livre e democrático, as opiniões aqui expressas são unicamente de seus autores.